Traumatismo de Crânio. Saiba como agir!

Traumatismo de Crânio. Saiba como agir!

O trauma de crânio é hoje o principal causador de mortes em decorrência de acidentes. A cada 100 mil habitantes 42 pessoas sofrem esse tipo de trauma. Mais de 30% das pessoas com traumatismo craniano, causado por uma pancada forte na cabeça, vão a óbito ou ficam com sequelas graves. Esse tipo de problema tem se tornado cada vez mais frequente nos últimos anos devido a acidentes automotivos. Apesar de todos nós estarmos sujeitos a esse tipo de problema, ele é mais comum em jovens dos 15 aos 25 anos. Durante o verão a tendência desse tipo de problema aparecer é maior. Quem explica melhor essa situação é o neurologista cirurgião Pedro Fernando Scanapieco Filho.

Bateu cabeça, sofreu um acidente automotivo ou caiu e perdeu a consciência. O que fazer? “O Sintoma mais comum de um trauma de crânio é a perda da consciência. A pessoa pode ficar confusa, atordoada, ficar sonolenta e até desacordada. O primeiro passo é chamar os serviços de emergência para prestar o primeiro atendimento, o ATLS. Após avaliação do quadro da pessoa no local, o paciente é encaminhado para o hospital onde o médico neurologista irá solicitar exames de imagens. Nesses casos a própria história do acidente também ajuda no diagnóstico e a conduta de tratamento”.

Em situações como essas, é obrigatória a realização de tomografia de crânio e raio-x de coluna cervical. Somente com esses exames nós conseguimos analisar, descartar ou socorrer a tempo caso haja algum tipo de problema grave. “Quando por exemplo fazemos a tomografia e detectamos a presença de algum coágulo, nós já agimos dentro do protocolo. Se pequeno deixamos a pessoa em observação, caso ele aumente, ou se for grande, já indicamos para cirurgia. Quando há a indicação cirúrgica e se o socorro for rápido, dentro do que estipula o protocolo, as chances de sucesso são bem grande” explica o neurocirurgião.

Em alguns casos, quando há a formação de coágulos, a pessoa pode até ficar em coma, com alterações de pupilas e ter paralizações de um lado do corpo. São caso graves que é necessária a internação em UTI e a indicação cirúrgica imediata. “Quando esse quadro é apresentado, nós fazemos o que chamamos de craniotomia, onde abrimos a cabeça da pessoa, localizamos o coágulo e estancamos esse sangramento. O sucesso desse procedimento depende de vários fatores como; o tempo que a pessoa levou para ser socorrida e levada até ao hospital, quanto da localização do coágulo e da pressão que ele exerce dentro da caixa craniana. Quando ficam sequelas elas podem ser tanto de dificuldade motora, quanto mental”.

Por sorte nem sempre uma pancada na cabeça resulta na formação de coágulos. Na maioria das vezes ocorre o que chamamos de perda temporária de memória. “O fato mais frequente é a perda memoria por algumas horas. Pode ocorrer de a pessoa ficar bastante confusa e não reconhecer pessoas próximas do convívio dela e isso pode durar até semanas, a família fica bastante assustada, mas tudo volta ao normal”.

Esse tipo de acidente atinge todas as faixas etárias e tem se tornado uma epidemia devido aos acidentes de trânsito. A dica é evitar situações que podem provocar um acidente, dirigir com prudência, descansado, utilizar cintos e principalmente, orientar as crianças para tomar cuidado ao atravessar ruas.

Para idosos é muito importante proporcionar locais seguros, principalmente dentro de casa. Nos banheiros devemos colocar tapetes na hora do banho e barras de apoio. O traumatismo de crânio em idosos nem sempre se manifesta imediatamente, ele pode aparecer tardio confundindo a família com os sintomas de um AVC.

scanapieco

Dr. Pedro Fernando Scanapieco Filho
CRM-MG 41.013
Neurocirurgia
Neurorradiologia Intervencionista
Especialista em tratamento cirúrgico de doenças neurológicas na coluna vertebral, nervos periféricos, lesões cerebrais.

Dr. Pedro Fernando Scanapieco Filho
Diretor responsável técnico
CRM-MG 41013