Doenças do Ombro

Doenças do Ombro – Recuperação com cirurgia por vídeo

Doenças do Ombro – Recuperação com cirurgia por vídeo

Tecnologia. As vantagens da cirurgia por vídeo!

Realizar procedimentos cirúrgicos por vídeo é cada vez mais crescente nas escolhas dos médicos e dos pacientes. Isso porque essa tecnologia permite recuperação mais rápida, reduz os riscos de infecções e complicações, o tamanho da cicatriz reduz chegando a se tornar imperceptível e em alguns casos o médico tem melhor visibilidade da área a ser tratada. Na ortopedia a técnica já é aplicada em várias áreas do corpo. Em Poços essa modalidade cirúrgica chegou para ficar com a equipe da COT, Clinica de Ortopedia e Traumatologia, que aplicam a técnica principalmente para recuperar traumas nos ombros e nas mãos.

Doenças do Ombro: Recuperação com cirurgia por vídeo.
Dores no ombro é a segunda maior queixa apresentada no consultório de ortopedia, perdendo apenas por problemas na coluna. Por ser uma área que possui uma articulação ampla e complexa ela é acometida por inúmeras patologias. Estatisticamente falando, as patologias mais comuns que acometem o ombro são as lesões dos tendões desta articulação. Os tendões do manguito rotador, podem sofrer lesões em várias escalas, desde uma inflamação à uma ruptura completa. Outra situação muito comum é a inflamação da Bursa que protege esses tendões, doença conhecida popularmente por Bursite. Geralmente a Bursite do ombro está associada à outras doenças do ombro com a lesão de tendões ou processos degenerativos.

Nesses dois casos se o paciente posterga o tratamento ou a consulta a um ortopedista de confiança, o quadro pode evoluir para uma artrose secundária, decorrente dessas lesões não tratadas. Geralmente a dor causada por essa ruptura nos tendões, é insidiosa, começa a apare-cer gradativamente, levando à médio prazo à dores intensas e limitação de movimento do ombro.

Nos quadros de rupturas parciais dos tendões, ou processos inflamatórios chamamos de tendi-nopatias, o tratamento na maioria das vezes é conservador, ou seja, não-cirúrgico. Recomenda-se anti-inflamatórios por via oral, infiltrações intra-tendinosas, fisioterapia, reforço muscular sem intervenção cirúrgica. Já quando há a ruptura total, a recuperação se dá por meio cirúrgico. É nessa situação que a COT se diferencia. Quando se fala de cirurgia, há duas opções; por vídeo ou aberta.

Hoje a cirurgia por vídeo (videoartroscopia) são utilizadas para o tratamento de diversas lesões articulares. São procedimentos minimamente invasivos e permitem no caso do ombro uma me-lhor visualização das lesões da articulação. “Nesse procedimento nós fazemos pequenos orifícios (portais) no ombro onde nós acessamos as estruturas internas e visualizamos o procedi-mento mediante o uso de uma câmera”, explica Dr. Bruno Groppi.
Diferentemente da cirurgia aberta onde a articulação é exposta totalmente através de incisões amplas, a técnica por vídeo resulta em uma menor agressão cirúrgica e permite uma melhor inspeção da região intra-articular do ombro. Além disso, as cicatrizes são menores, há pouco sangramento e recuperação é mais rápida, geralmente 2 meses antes da convencional com as técnicas atuais de videoartroscopia.

Vale lembrar que as cirurgias do ombro embora pequenas são extremamente complexas e delicadas, exigindo muito de uma recuperação bem-feita no pós-operatório. Geralmente o paciente só volta as atividades laborais após 4 meses da cirurgia por vídeo e após 6 meses na aberta. Para a prática de esportes o retorno deve levar de 8 meses a um ano.

Dr. André Araújo Ribeiro
CRM – MG 65841

Dr. Bruno Groppi
CRM – MG 53037