O pesadelo dos homens

O pesadelo dos homens

A disfunção erétil atinge mais de 25 milhões de Brasileiros.

Um assunto delicado que muitos homens temem só de pensar, a disfunção erétil. Este é um problema real e atinge cerca de 25 milhões de brasileiros de todas as idades por diversos fatores. Mesmo com esse mal que assombra o universo masculino, novas técnicas tem garantido resultados surpreendentes até em casos críticos de quem perdeu a próstata. É o que explica o Dr. Alcides Mosconi Neto, Urologista Coordenador do Grupo de Disfunção Erétil do Centro de Referência da Saúde do Homem de São Paulo.

A disfunção erétil atinge desde o adulto jovem, dos 18 aos 30 anos, até a faixa mais crítica dos homens que é após os 40 anos de idade.

dr-alcides-mosconi-urologista
Dr. Alcides Mosconi Neto – Urologista

No grupo adulto jovem a incidência de disfunção erétil é baixa, e quando ocorre, ela geralmente esta ligada a questão psicoemocional. “No adulto jovem dificilmente a disfunção sexual ocorre por problemas orgânicos. Na maioria dos casos, ela está ligada a ordem emocional, por ansiedade de performance. Por algum motivo, na hora de ter relação, ele não teve um bom desempenho e na relação seguinte a pessoa começa a se cobrar, antes de iniciar o ato sexual, o que leva a liberação de alguns neuros transmissores que acarretam a disfunção. Na maioria dos casos esse homem tem apenas que controlar o emocional para voltar a ter uma vida sexual ativa”, esclarece o coordenador da Urologia do Sul de Minas, Alcides Mosconi Neto.

Já para os homens com mais de 40 anos de idade, problemas orgânicos trazem sérias dificuldades de ereção. Estudos comprovam que cerca de 30% desse grupo não conseguem ter relações sexuais por falta de ereção.  “Nessa faixa de idade, após os 40 anos, a disfunção erétil é muito comum, principalmente pela maior incidência de algumas patologias que acometem a parte sexual como; hipertenção, diabetes e pacientes com níveis de colesterol e triglicerídeos altos. Podemos comparar as causas da disfunção erétil com a doença arterial coronariana, que é quando ocorre um defeito no mecanismo vascular. A ereção sexual se dá com o aporte sanguíneo para os corpos cavernosos, que compõe a estrutura do pênis. Quando há uma dessas patologias, citadas acima, pode ocorrer à obstrução vascular dos vasos, que em alguns casos acarretam disfunção sexual”, explica Dr. Alcides Mosconi Neto, Doutor em Urologia pela USP.

Também estão sujeitos a enfrentar esse problema, pacientes que se submeteram a cirurgia de próstata para remoção de tumores. “Esses pacientes tem um aumento da incidência da disfunção erétil por lesão dos nervos eretores, que passam ao lado da próstata. Os principais problemas que ocasionam a disfunção sexual são; pressão alta, diabetes e pacientes submetidos à cirurgia para correção de câncer de próstata”, explica Alcides Mosconi Neto.

Com a evolução das técnicas e da própria medicina, esse pesadelo masculino está bem próximo do fim. A pessoa que sofre de impotência sexual pode recorrer a três tipos de técnicas para voltar a ter uma vida sexual ativa e satisfatória. “Pra reabilitar o paciente, primeiramente nós estudamos as causas da doença e determinamos que grupo estamos lidando; é hipertenso, diabético, realizou cirurgia ou é adulto jovem. Definindo o grupo, nós realizamos alguns exames de sangue laboratoriais. Assim nós vamos analisar o colesterol, a glicemia e a pressão arterial para definir disfunção orgânica ou psicogênica”, Dr Alcides Mosconi Neto.

Após definir o grupo iniciam as intervenções. Para as causas orgânicas o paciente deve adotar várias medidas para regular o organismo e recuperar a vida sexual. “Nós precisamos ter um controle melhor da pressão, da diabetes e propor uma mudança de hábito na vida desse paciente. Pessoa sedentária, tabagista, obeso ou a combinação dos três, provavelmente vai enfrentar a disfunção sexual. Então se nós recuperarmos a qualidade de vida já melhoramos a função do endotélio, do psicossocial e emocional. A relação deve ser boa para o casal, portanto acabamos tratando do casal e não apenas do homem. Nesse primeiro estágio tudo é feito sem o auxílio de medicação ou tratamentos mais invasivos”.

Depois de realizar a mudança de hábito e não obter o efeito desejado, o paciente pode recorrer ao tratamento medicamentoso. Na década de 90 foram lançados os medicamentos inibidores da fosfodiesterase, conhecidos como pílula azul. Atualmente existem três substâncias disponíveis no mercado e são de baixo custo. Segundo o médico a medicação só deve ser tomada após análise do quadro clínico, essa medicação possui contraindicações.

“Se a medição não funcionar ou não for indicada, ainda recorremos a dispositivos a vácuo e injeções intracavernosas para obter ereções, porém o abandono dessa modalidade é muito grande, pois a pessoa não se sente confortável em se alto aplicar uma injeção”, esclarece o urologista.

Clínica Urológica Dr. Alcides Mosconi Neto
Clínica Urológica Dr. Alcides Mosconi Neto

O último passo é o implante de prótese peniana que é um recurso preciso e tem trazido um ótimo índice de aprovação. O Grupo de Disfunção Erétil do Centro de Referência da Saúde do Homem de São Paulo realizou uma pesquisa com mulheres de 112 homens que colocaram a prótese peniana. O questionário revelou que 80% das parceiras aprovaram o procedimento. “Atualmente existem basicamente dois tipos de próteses penianas no mercado; as semirrígidas e as infláveis. Dentro das semirrígidas tem as articuláveis e nas infláveis tem as de dois e três volumes, a utilização delas vai depender da habilidade do cirurgião e dos objetivos do paciente”, esclarece Alcides Mosconi Neto.

“Atualmente a prótese mais escolhida no Brasil é a semirrígida. Elas tem grande aceitação pelos resultados obtidos e pelo custo que elas tem. A semirrígida é bem mais em conta que a inflável, mas as duas podem ser colocadas porque as indicações são as mesmas”, Urologista.

Por se tratar de um procedimento cirúrgico, o risco existe como em qualquer outro. Embora delicada, a aplicação da prótese é rápida, a cirurgia demora em torno de uma hora. Para a colocação da prótese o paciente deve estar com os níveis glicêmicos normais para reduzir os riscos de infecções. Geralmente a vida sexual é recuperada completamente e homem permanece com a sensibilidade, prazer e ejaculações. Na Região do Sul de Minas a procura por esse tratamento é bem comum por realizar o tratamento de oncologia.

Centro de Convenções Monreale
Centro de Convenções Monreale