Nutrição

Dietas restritivas quando são realmente recomendadas?

Dietas restritivas quando são realmente recomendadas?

Muitas pessoas tem aderido a restrições alimentares, sem ao menos entender o porquê. Dietas sem glúten, sem lactose, low carb, enfim, são inúmeras as opções que tem confundido a cabeça dos pacientes, que chegam ao consultório sem o mínimo de entendimento.

O glúten é uma proteína composta pela mistura das frações proteicas gliadina e glutenina, presentes naturalmente no trigo, centeio, cevada e aveia. Ele é o responsável por dar elasticidade nas massas quando entra em contato com a água. Derivado do latim, GLÚTEN significa COLA.

Por lei, todos os rótulos devem expor a presença do GLÚTEN, devido à Doença Celíaca, uma doença autoimune, provocada pela ingestão desta proteína, causando danos à parede do intestino delgado e comprometendo o processo de absorção dos nutrientes. Isso pode levar o portador de Doença Celíaca à desnutrição, quando não diagnosticado precocemente. O tratamento é a restrição total de produtos que contenham glúten.

Existem pessoas que podem ser intolerantes ao glúten e apresentar alguns sintomas como: mudança no hábito intestinal, dores articulares, dor de cabeça, fadiga crônica, dificuldade de concentração, problemas de pele, entre outros. O tratamento proposto, após longa anamnese na consulta, é uma dieta de rotação, ou seja, eliminar o glúten por 03 meses e depois fazer a reintrodução e observar os sintomas novamente. Retirar o glúten da dieta acaba gerando perda de peso sim, mas por restringir o consumo de carboidratos, embora atualmente existam uma série de farinhas alternativas sem glúten, porém, ricas em carboidratos também.

Lactose é um açúcar dissacarídeo presente no leite, formado por glicose e galactose. É uma molécula de difícil digestão devido à carência da enzima digestiva lactase. Em média, 80% da população é intolerante à lactose e vão apresentar sintomas gastrointestinais, tais como: distensão abdominal, diarréia, constipação, flatulência, má digestão, refluxo, entre outros.

A restrição de leite e derivados se faz necesária quando o paciente relatar alguns dos sintomas acima mencionados, ao ingerir produtos lácteos. Vale ressaltar que nos queijos, principalmete os queijos curados, a lactose está degrada e os intolerantes podem tolerar a ingestão sem apresentar desconfortos. Retirar leite e derivados da dieta não irá gerar perda de peso, mas muitos acabam desinchando, pois podem ser intolerantes sem nem saber.

Low carb significa fazer uma restrição na ingestão de carboidratos (pães, massas, batatas, doces e açúcares de modo geral, algumas frutas com maior teor de açúcar). De modo bem simples, o objetivo de restrigir carboidratos é amenizar a produção de insulina, hormônio responsável em metabolizar a glicose, que é o produto final da digestão dos carboidratos.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, responsável por transportar a GLICOSE para dentro das células. É considerada um hormõnio anabólico, ou seja, auxilia no processo de ganho de massa muscular mas também favorece o acúmulo de gordura em locais indesejados, como abdômen e fígado. Se a sua produção for excessiva, o corpo poderá desenvolver a RESISTÊNCIA INSULÍNICA, ou seja, a ingestão descabida de carboidratos irá sobrecarregar o pâncreas, gerando uma produção excessiva de insulina, a qual pode se tornar resitente à ligação à glicose ou causar uma falência no pâncreas, levando à deficiência na sua produção, podendo até gerar o Diabetes.

Manter os níveis de insulina baixos diminui a fome e a compulsão alimentar, fazendo com que o organismos utilize a gordura estocada como fonte de energia. Assim se atinge o emagrecimento e à melhora da esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), quando esta se fizer presente.

O que realmente funciona é o paciente ser acompanhado por um profissional Nutricionista, ser avaliado nos mínimos detalhes, estar disposto a mudanças. Só assim, poderá ser elaborada uma conduta nutricional individulizada, sem modismos alimentares, prezando sempre pela qualidade de vida e bem estar do paciente.

Betânia Nogueira LopesBetânia Nogueira Lopes
CRN 3 2585
Nutricionista Clinica Funcional

– Nutricionista graduada pela UNESP BOTUCATU (Universidade Estadual Paulista), em 2003.

– Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional, pelo Centro Valéria Paschoal de Educação, em 2007.

– Participação em Cursos de atualização e Congressos de Nutrição Esportiva.

– Atendimento em consultório particular desde 2005, a portadores de Doenças Crônicas Não Degenerativas (Diabetes, hipertesão, Obesidade); pacientes pós cirurgia bariátrica; acompanhamento a praticantes de atividade física; adultos e crianças, de modo geral.

– Atuação em ambulatório de Saúde Pública, atualmente concursada na Prefeitura de Botelhos.

– Produção artesanal de Comidas Funcionais.

Rua Piaui, 451, sala 31
3714-7049 | 99144-6075

Nutrição e Estética

Nutrição e Estética

Nutracêuticos e Nutricosméticos

A nutrição Estética está voltada para a implementação de um cuidado nutricional que, além dos requisitos fundamentais da nutrição aplicados à prevenção ou ao tratamento de doenças, como: alopecia e obesidade, atenda também às “necessidades estéticas” das pessoas. Bem como: envelhecimento cutâneo, acne, excesso de peso, celulite, estrias, flacidez cutânea e muscular, carências de unha e cabelos, etc. A Nutrição estética também atua no crescimento e desenvolvimento ósseo, desenvolvimento e manutenção do tecido epitelial, sistema imunológico, ação antioxidante.

O envelhecimento cutâneo atinge mais o público feminino e é o que mais incomoda as mulheres. Pode ser desencadeado por alguns fatores como: estilo de vida – desde de infância, horas de sono, hábitos alimentares – qualidade, variedade, antioxidante, tabagismo – excesso de radicais livres, sedentarismo – diminuição do tônus muscular, força, densidade, fatores hormonais – déficit de estrogênio (menopausa), redução de colágeno, estresse – a pele pode permitir penetração de substâncias nocivas, perda de água, exposição solar – manchas, rugas finas e profundas, câncer, queimaduras.

Lista de componentes de alimentos e fatores Pró-inflamatórios:
-Gorduras trans e saturadas;
-Tabagismo;
-Alto índice glicêmico;
-Doenças crônicas;
-Substâncias tóxicas;
-Estresse;
-Poluição;
-Obesidade.

Lista de componentes de alimentos
Anti-inflamatórios:
-Ômega 3;
-Ricos em fibras;
-Vitaminas;
-Baixo índice glicêmico;
-Minerais

Sabemos que se consumirmos mais energia do que gastamos, o resultado é aumento da gordura corporal. Também sabemos que alimentos saudáveis refletem em pele, cabelos e unhas saudáveis, mas até quanto nosso organismo responde de forma positiva ao que ingerimos? Será mesmo que os alimentos exercem funções tão essenciais em nosso organismo?

Pois bem, muito ouvimos falar sobre os nutricosméticos, compostos de: vitaminas, minerais, fitoterápicos, aminoácidos, metabólicos, extratos ou combinações dos princípios ativos acima. Estes compostos têm a finalidade de nutrir o organismo, proporcionando benefícios de dentro para fora. São conhecidos como a cápsula da beleza, e são comercializados com finalidade estética, já que são indicados em casos de acne, fortalecimento das unhas, fortalecimento capilar, prevenção do envelhecimento, antioxidantes, bronzeadores, etc.

Por outro lado, similar aos nutricosméticos, porém com objetivos diferentes, os nutracêuticos são comercializados em pílulas, cápsulas, comprimidos e pós, e atuam com benefícios à saúde humana na prevenção ou tratamento de uma ou mais doenças, ou ainda, na melhoria do rendimento fisiológico, e também atuam de dentro para fora. Seus componentes são: Fitoquímicos, Prebióticos e Probióticos; Alimentos Diet e Light e Alimentos Fortificados.

Tanto os nutracêuticos quanto os nutricosméticos costumam ser indicados pelos nutricionistas como um suplemento natural, mas sempre devemos levar em consideração que pessoas de hábitos e alimentação equilibrada, com uma dieta saudável, em tese, costumam ingerir todos ou grande parte dos ingredientes das cápsulas suplementares. Uma laranja por dia, por exemplo, garante o suprimento necessário de vitamina C. Outras frutas cítricas e verduras também têm a substância. Peixes de águas profundas, como atum e salmão, são ricos em Ômega 3. Um filé duas vezes por semana suaviza a textura da pele. O licopeno, tão em voga atualmente, é uma substância que dá cor avermelhada aos alimentos, como tomate, melancia, etc., e é um antioxidantes que, quando absorvido pelo organismo, ajuda a prevenir os radicais livres.

Assim, alimentos nutritivos e funcionais apresentam propriedades benéficas além das nutricionais básicas, sendo apresentados na forma de alimentos comuns, basta sabermos ajustar as quantidades diárias necessárias. Além disso, temos que contar com a capacidade do corpo de absorver bem todos os nutrientes ingeridos, o que nem sempre é possível. Para garantirmos que todos os ingredientes que consumimos serão absorvidos pelo organismo, seja na forma de suplementos ou na forma de alimentação, é fundamental a ingestão de frutas, verduras e fibras. Tudo isso sem contar que, nosso organismo tem uma capacidade determinada para absorver as vitaminas, minerais e outros componentes que, quando ingeridos em excesso, simplesmente serão eliminados.

Portanto, é importante salientar que suplementos alimentares devem sempre ser indicados por um profissional capacitado a analisar as reais necessidades de cada indivíduo. Quando trabalhado em parceria com esteticista, a indicação adequada feita pelo nutricionista colabora nos tratamentos estéticos de rejuvenescimento da pele, flacidez, celulite, estrias, acne, hidratação entre outras indicações estéticas. Está claro que não dependemos somente dos tratamentos em cabine e dos cremes milagrosos: sem uma boa nutrição, é como remar contra a maré!

Os nutracêuticos e nutriscométicos forma de suplementos apresentam-se como opção de tratamento mais prática pro dia a dia. Pois na correria diária nem sempre é possível andar com todos os alimentos de uma dieta na bolsa.
Um dos Nutracêuticos e Nutricosméticos mais precristos: Glisodin, Morosil, Exsynutriment, Minerais: zinco quelato, Magnésio Quelato, Vit.C,Vit.A,Vit.E, Vit.D, B6, B12, Probióticos e prebióticos, Dimpless, Chá verde – em cáspula ou chá, fosfolipídeos de Caviar, Osteosil, lipo.Pa, Glycoxil, Cavalinha, Slim Green Cofee, Ziam, Serenzo, Saffrin, PQQ, CQ10, Nutricolin, Licopeno, L-Theanina, Vinoxin, Cact-Nea, entre outros.

Izabela Moraes Gondim Izabela Moraes Gondim
Nutricionista Clínica
CRN 09103233
Especialista: Nutrição e Estética.
Pós graduada em Suplementação.
Pós graduada em Microbiologia Alimentar.
Pós graduada em Atendimento em Grupo.

Rua Aquidauaba 81, Jd. dos Estados
Poços de Caldas
fone: (35) 3713-6651
facebook: studiomargara

Açúcares e gorduras mocinhos ou vilões?

Açúcares e gorduras mocinhos ou vilões?

Danieli-FernandesPara se ter uma alimentação saudável e manter a boa forma, é normal que muitas pessoas se perguntem o que é apropriado ou inadequado para o consumo, o que as leva a conclusão de que devem restringir alguns alimentos de sua dieta como o carboidrato e a gordura.

Uma dieta abundante em carboidratos pode acarretar além de diabetes, outros problemas, como obesidade, doenças cardiovasculares, tromboses e avanço da aterosclerose (depósito de substâncias nas paredes dos vasos sanguíneos, obstruindo a circulação). Em contrapartida, dietas restritas em carboidrato também podem prejudicar a saúde, já que ele é a principal fonte de energia para as células, estando facilmente disponível para o organismo e nos dando força para nos locomover, trabalhar e realizar as atividades cotidianas. Sendo ele ainda, a principal fonte de energia para o cérebro e o sistema nervoso central, que chega a consumir cerca de 60% do açúcar do sangue, o que significa que não ter carboidratos suficiente na dieta pode prejudicar a memória.

Ao se falar em gordura, em excesso na dieta, pode causar hipercolesterolemia, complicações cardiovasculares, doenças degenerativas (como a esclerose múltipla) e obesidade. Já sua falta no organismo pode causar diminuição do crescimento, dermatite escamosa, infertilidade, diminuição de resposta inflamatória, anormalidades renais, contração reduzida do miocárdio além de diminuição na absorção de vitaminas lipossolúveis.

Sendo assim, qual seria o mais apropriado para se restringir em uma dieta? Na verdade o corpo humano é muito complexo, e estudos apontam que individualmente esses macro nutrientes são fundamentais para o perfeito desempenho de todas as funções de nosso organismo. O que de fato leva as pessoas a ganharem peso são preparações compostas por 50% açúcar e 50% gordura, o que acontece em alimentos como sorvetes, donut (rosquinhas), cheesecake, e outros alimentos altamente processados e de redes de fast-foods. Naturalmente nada tem gordura e açúcar na mesma proporção, assim, quando ingeridos, não há resposta cerebral para que se pare de comer, e o resultado é o aumento gradativo de peso.

Com uma alimentação balanceada, adequada em açúcares e gorduras e de acordo com o peso, a altura e a idade, isso não acontece. É importante que haja um equilíbrio entre a quantidade e a qualidade de nutrientes consumidos e o estilo de vida. Por isso que o profissional nutricionista tem uma posição fundamental na elaboração de dietas saudáveis. Pois ele estuda os alimentos e entende de suas características e funcionalidades orgânicas, ele pode auxiliar na composição de planos alimentares, levando em conta fatores biológicos, sociais e culturais. O mesmo ainda acompanha e atua no combate à obesidade, na avaliação estado nutricional, na atenção direta à diabéticos e hipertensos, e na educação nutricional em todos os ciclos da vida. Com o auxílio de um nutricionista você pode amenizar problemas e manter a saúde, o bem-estar e o humor, além de prevenir futuras doenças, ter qualidade de vida e longevidade.

danieli-fernandesDanieli Fernandes de Oliveira
CRN-3: 47540/P

Formada em NUTRIÇÃO pela Universidade Paulista-UNIP São José do Rio Pardo – SP

Áreas de atendimento:
-Nutricionista Clínica na ESSENCIAL
-Planos alimentares personalizados para todos os ciclos da vida
-Personal diet
-Prestação de assessoria e consultoria em indústria de alimentos e unidades de alimentação e nutrição

Nutrição e Coaching

Nutrição e Coaching

A definição de nutrição você já sabe, correto? Agora, o que é o Coaching? De acordo com Sulivan França, Presidente da Sociedade Latino Americana De Coaching “O Coaching é um processo com foco 100% em SOLUÇÃO. Visa apoiar a pessoa que busca um desenvolvimento seja com foco pessoal ou profissional.”

Então você sabe como a parceria de sucesso entre Coaching e Nutrição pode lhe apoiar a alcançar os seus objetivos? Segundo pesquisa realizada pela PUC CAMPINAS com executivos que passaram pelo processo de Coaching, 80% melhoraram a flexibilidade e 80% aprenderam a aceitar melhor as mudanças.

“O que significa isso?” ou “Como isso é importante para mim?” São algumas perguntas que nem sempre nos fazemos, já que na maioria das vezes, estamos sempre nos perguntando: “Por que não alcanço a minhas metas se já frequento uma Nutricionista?”. O caminho para alcançar a meta de cada um é muito diferente, por isso fazer o acompanhamento com uma Nutricionista Qualificada é crucial no caminho ao peso ideal.

Este profissional trabalha com um processo de avaliações, acompanhamento científico e fisiológico para que você possa estar na mais perfeita saúde e alcançar o seu tão idealizado número na balança. Assim como, para quem almeja conquistar suas metas, um Coach qualificado é o profissional chave durante o processo. Este profissional assegura o uso harmônico de ferramentas específicas e poderosas para que as pessoas tenham mais recursos e se movam mais assertivamente em direção aos seus objetivos.

De que maneira estes profissionais fazem a diferença quando trabalham juntos?
Quando os dois profissionais trabalham em conjunto, há um foco mais bem definido para quem está buscando o equilíbrio, já que durante esta caminhada as pessoas tendem a passar por diversos momentos desafiadores.

Como funciona esta parceria?
“As pessoas procuram um profissional de Nutrição quase sempre com metas pré-estabelecidas e então quando resolvem objetivar alguma ação, nem sempre logram êxito ou quando conseguem resultados positivos, não os mantêm ao longo do tempo. Por que então não mais retomam suas metas? Estas metas estavam bem segmentadas ou estabelecidas? O Coaching alavanca o senso de autodescoberta e prioridade para que consigamos nos manter mais focados e engajados a alcançar nossos tão importantes objetivos”, afirma o Coach Bittencourt.

“A Nutrição por sua vez, faz o papel de estabelecer as diretrizes para que o peso ideal seja alcançado, assegurando as necessidades fisiológicas de acordo com o perfil genético de cada indivíduo”, adiciona a Dra Bianca Bassoto.

Com esta parceria de sucesso, Dra. Bianca Bassoto e o Coach Thiago Bittencourt trabalham juntos para alavancar os resultados das pessoas. “O Coaching não é terapia, não dá opiniões e não trabalha com achismos. O profissional qualificado em Coaching, além de imparcialidade, investe muito em sua formação e ética bem como o profissional da Nutrição.” Resume o Coach Bittencourt.

bianca-bassoto-2

Medicina Alopática e Medicina Tradicional Chinesa em um só lugar!

Medicina Alopática e Medicina Tradicional Chinesa em um só lugar!

As crianças recebem alimentação com excesso de proteínas, que prejudicam os mecanismos de defesa do corpo e desenvolvem quadros alérgicos.

Dr. Olympio César Lopes da Silva, pediatra e alergologista, depois de clinicar nos Estados Unidos por dezenove anos, retornou ao Brasil em 2009 trazendo uma proposta que agrega à medicina alopática os conhecimentos da Medicina Tradicional Chinesa. Desta maneira, ele busca compreender melhor os fatores que provocaram o desequilíbrio energético dos pacientes e estabelecer relações entre o comportamento e alimentação.

A sociedade moderna está repleta destes fatores que levam ao desequilíbrio energético: álcool, tabaco, drogas, agrotóxicos, poluição ambiental, estresse emocional, aditivos alimentares e alimentos com carência de nutrientes, devido às culturas intensivas em que são produzidos e adubações químicas.

As crianças, devido ao desconhecimento ou despreparo dos responsáveis, além dos fatores descritos acima, recebem alimentação com excesso de proteínas, que prejudicam os mecanismos de defesa do corpo e desenvolvem quadros alérgicos.

Dr. Olympio cita 6 razões pelas quais a alimentação com alto teor de proteína prejudica a saúde:

1. Cria células cancerígenas: Os resíduos tóxicos do excesso de gordura animal e da digestão da proteína podem causar danos ao DNA, prejudicando os mecanismos de defesa do corpo e, consequentemente, permitindo o surgimento de infecções e aparecimento de células defeituosas e cancerosas.

2. Causa reações alérgicas: As proteínas que não foram decompostas em nutrientes entram na corrente sanguínea através da parede dos intestinos. O corpo reage como se as proteínas fossem uma substância estranha, criando uma reação alérgica. A ingestão excessiva de proteína animal e as consequentes reações alérgicas são a causa do aumento da incidência de dermatite atópica, urticária, doenças do colágeno, colite ulcerativa e doença Crohn.

3. Sobrecarrega o fígado e os rins: Quando ingeridas em excesso, as proteínas do corpo são decompostas e, depois, eliminadas por meio da urina, sobrecarregando o fígado e os rins.

4. Causa deficiência de cálcio e osteoporose: Quando grandes quantidades de aminoácidos são geradas, o sangue torna-se ácido e precisa de cálcio para neutralizar essa acidez, resultando na perda desse elemento. O sangue precisa manter a proporção de cálcio e fósforo entre 1:1 e 1:2, e a alimentação com alto teor de fósforo obriga o organismo a retirar cálcio dos dentes e dos ossos para manter essa proporção. Além disso, quando há grandes quantidades de cálcio e fósforo no organismo, eles se ligam pra produzir o fosfato de cálcio e, como não se consegue absorver este composto, o corpo o elimina, aumentando ainda mais a perda de cálcio e a suscetibilidade à osteoporose.

5. Resulta em falta de energia: A digestão dos alimentos requer uma grande quantidade de energia. O excesso de proteína não é metabolizado e, por isso, não é absorvido. Essa proteína não decomposta entra em estado de putrefação nos intestinos, criando resíduos tóxicos. Para realizar a desintoxicação causada por essas substâncias, o organismo precisa de grande quantidade de energia. O uso excessivo de energia gera um grande número de radicais livres, que são os responsáveis pelo processo de envelhecimento, além de câncer, cardiopatias e aterosclerose.

6. Pode contribuir para o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em crianças: Os estudos mais recentes mostram um aumento de crianças com transtorno de déficit de atenção e propensas a explosões de raiva. A alimentação e a nutrição podem exercer um impacto significativo sobre o comportamento e a adaptabilidade social das2 crianças. Cada vez mais, elas tendem a consumir, em casa e na escola, grandes quantidades de alimentos processados. Esses alimentos não só contêm vários aditivos, como também tornam o organismo ácido. A proteína animal e o açúcar refinado são consumidos em quantidades cada vez maiores, enquanto que as verduras e os legumes são evitados. A proteína animal e o açúcar demandam maiores quantidades de cálcio e magnésio, o que provoca deficiência de cálcio. Essa deficiência estimula o sistema nervoso, contribuindo para o nervosismo e a irritabilidade.

Para se restabelecer o equilíbrio homeostático do paciente, também se utiliza na Clínica do Dr. Olympio, tratamento com gás ozônio, denominado ozonioterapia, descoberto na Alemanha e muito difundido em vários países. No Brasil, desde 1975, esta terapia tem sido utilizada como complemento no tratamento de diversas patologias de origem inflamatória, infecciosa e isquêmica. A ozonioterapia possui propriedades bactericidas, fungicidas e virustáticas, além de ser indicada nos casos de insuficiências circulatória e imunodeficiências.

Dr. Olympio acredita que todos nascemos com direito à saúde e que é natural ser saudável. Um estilo de vida saudável, consumindo alimentos ricos em enzimas, água de qualidade, fazendo exercícios físicos, descansando, dormindo satisfatoriamente e mantendo a mente sã, levará a uma longevidade saudável.

dr-olimpioDr. Olympio César Lopes da Silva
CRM MG 49349
Pediatra – Até 17 anos
Alergista e Imunologista – Adultos e Crianças

Rua Piauí,95 Sala 22
Edifício Acquafit – Centro
Poços de Caldas

Telefone: 35 3721-4375
www.drolympio.com.br

 

Diabetes, exercícios físicos e suplementação

Diabetes, exercícios físicos e suplementação
Por Leonardo Piva – Nutricionista

Várias pessoas me questionam sobre a influência dos exercícios físicos e da suplementação em indivíduos diabéticos. Perguntas como: Pratico exercícios físicos regularmente, quero aumentar minha massa muscular, melhorar meu condicionamento físico, reduzir gordura corporal, porém, sou diabético. Posso tomar suplementos? Dúvidas como essa, são muito comuns no consultório. Devido a isso irei às linhas abaixo, explicar um pouco sobre o assunto e quem sabe ainda incentivar a prática de exercícios físicos e o consumo de alguns tipos de suplementos que irão ajudar as pessoas a controlar a doença.

casa-do-atleta-leonardo-piva

Como controlar a diabetes com exercícios físicos

Exercícios : Exercícios físicos regulares são muito importantes para diabéticos. Eles ajudam a controlar o nível de açúcar no sangue, a perder peso e a diminuir a pressão alta sanguínea. Pessoas diabéticas que se exercitam estão menos propensas a ter problemas cardíacos e derrame do que as que não se exercitam regularmente.

Suplementos alimentares para o Diabético

casa-do-atleta-suplementação-leonardo-piva

Basicamente a suplementação para o indivíduo diabético é igual a de pessoas não diabéticas e que necessitam desse complemento à alimentação. Suplementos protéicos como Whey Protein, Albumina, Caseína, proteína Hidrolisada de Colágeno, proteína da Soja, proteína da Carne, bem como aminoácidos e até mesmo suplementos energéticos ricos em carboidratos como Maltodextrina, Dextrose, Waxy Maize, D-Ribose, etc., pode sim contribuir para a melhora da saúde, estética, performance e qualidade de vida de diabéticos.
Esclarecendo que suplementação é “necessidade”, antes de sair por aí tomando suplementos é extremamente importante a orientação profissional que irá adequar a suplementação à prática de exercícios físicos. Lembrando que o melhor profissional pra isso é o Nutricionista Esportivo ou ainda o Médico do Esporte.

A Creatina controla os níveis de Diabetes Tipo 2

Ela está no topo dos suplementos mais procurados. É uma proteína composta, derivada de aminoácidos aliada a prática de exercícios regulares, que melhora o controle glicêmico de pessoas portadoras de Diabetes Tipo 2.
Em um recente estudo de pesquisa do Laboratório de Nutrição e Metabolismo da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP revelam que a creatina ajuda a controlar a taxa de açúcar no sangue elevada em diabéticos.
A cretina pode ser encontrada em peixes, carne vermelha e entre outras, ela oferece energia ao músculo e pode ser armazenada em abundância no tecido muscular, ou produzida no organismo pelos rins, pâncreas e fígado.

Dicas

– Escolha um exercício físico que você goste e esteja compatível com seu preparo físico atual.
– Exercite-se todos os dias e, se possível, na mesma hora do dia.
– Leve com você um alimento que contenha carboidratos de ação rápida para o caso de você ter uma hipoglicemia durante ou depois do exercício.
– Leve algum documento que identifique que você é diabético e um telefone celular.
– É extremamente importante o diabético insulino-dependente fazer um controle da glicemia antes (ideal entre 70-150mg/dl), durante, ao final da prática e ainda pós-exercício (aproximadamente 4 horas após). Caso os níveis de açúcar no sangue estejam elevados (entre 180-250mg/dl) adie o exercício.
– Exercitar-se com a glicemia alta – corrompe o sistema de controle glicêmico e aumenta ainda mais a glicemia
– Estratégias de recuperação são similares a de atletas não diabéticos

casa-do-atleta

Laboratório Bioanálise
Laboratório Bioanálise